Cinema e Argumento

A festa de Tilda Swinton

Tilda Swinton animou 1.500 pessoas no último Ebertfest.

Depois de dormir no MoMA como obra de arte, ela aprontou essa.

Como não amar?

Por um mundo com mais momentos dançantes de Tilda Swinton!

Contagie-se.

A esperança dos miseráveis

Oscars injustos para o diretor Tom Hooper à parte, devemos ser sinceros: que emocionante esse trailer de Les Misérables! Além de ficar claro que o britânico responsável por O Discurso do Rei sabe exatamente quais são os elementos mais adorados pelos votantes da Academia, parece que, dessa vez, ele tem intenções bem maiores.

Com Hugh Jackman, Anne Hathaway, Russell Crowe, Amanda Seyfried, Sacha Baron Cohen e Helena Bonham Carter no elenco, o longa é um musical baseado na clássica obra homônima de Victor Hugo. Na história, acompanhamos o prisioneiro Jean Valjean (Jackman) indo atrás de sua redenção, além da “miserável” população francesa do século XIX que luta por dias melhores.

Especula-se que os atores teriam cantado as músicas ao vivo durante as gravações e não previamente, como acontece na maioria dos musicais. Hathaway e Jackman, por sinal, já cantaram juntos na 61ª edição do Oscar. Cohen e Bonham Carter soltaram a voz em Sweeney Todd, e Seyfried já mostrou seus talentos vocais ao lado de Meryl Streep em Mamma Mia!.

É verdade que Les Misérables pode ser uma espécie de Nine, parecendo bom demais para ser verdade (e todos sabem no que deu o longa de Rob Marshall), mas, até agora, essa prévia com a belíssima I Dreamed a Dream entoada por Hathaway foi para deixar qualquer um ansioso. Fica registrada, então, a nossa torcida: boa sorte, mr. Hooper, o seu Les Misérables tem tudo para dar certo!

Fim da Linha

Compartilho com vocês o documentário Fim da Linha, produzido, em 2011, para as disciplinas de Projeto Experimental V e Documentário em TV do curso de Jornalismo do Centro Universitário Metodista – IPA. Coloco o documentário aqui no blog não só porque faço parte da equipe (participei do roteiro e da montagem), mas por ele tratar de um assunto que precisa de atenção: a falta de segurança na RS 118, uma rodovia de Esteio (RS) que tem trazido inúmeras perdas para as pessoas que moram ao redor dela. Enquanto algumas perderam familiares, outras tiveram suas capacidades físicas comprometidas em acidentes. São histórias que por si só já mostram a urgência do assunto. Para se ter uma noção, durante a produção do documentário (que levou aproximadamente seis meses), 157 acidentes foram registrados na RS 118. Espero que o documentário, de alguma forma, ajude a melhorar essa péssima situação dos que vivem perto da rodovia…

O trailer de “A Dama de Ferro”

Longe de ser a tragédia que eu pensei que seria, esse trailer veio para dizer uma coisa: o filme terá BAFTA por todos os lados! Assim como O Discurso do Rei, deve ganhar prêmios até em categorias que não merece. De qualquer forma, Meryl parece estar sensacional, em mais uma caricatura que promete. Minhas ressalvas ficaram mesmo com a escolha completamente inapropriada das trilhas… De qualquer forma, é bom ver um material consistente sobre A Dama de Ferro, que, inexplicavelmente, estava sendo escondido pelos irmãos Weinstein – eles, inclusive, decidiram colocar a estreia somente para 30 de dezembro nos Estados Unidos (?!). Agora é só esperar o filme entrar em cartaz e ver se, de fato, o duelo é entre Meryl e Glenn Close.

Glenn Close começa com vantagem

A julgar pelo trailer, Albert Nobbs parece um filme de décadas atrás. Para ser mais preciso, parece ser o filme que teria consagrado Glenn Close em sua era de ouro. Fica a sensação de que Albert Nobbs pode ser bem antiquado. A diferença é que o filme de Rodrigo García, por mais datado que possa ser, tem a seu favor uma maravilhosa atriz como Glenn Close. Ela, que já interpretou o papel-título no teatro, tem tudo para entregar uma atuação notável. E o trailer do filme divulgado recentemente confirma a forte tendência de Glenn Close voltar com tudo na temporada de premiações após tanto tempo de injustiças com a atriz.

Portanto, podemos dizer, até o momento, que Glenn Close está na frente de Meryl Streep na corrida pelo Oscar de melhor atriz. Albert Nobbs já está sendo exibido em festivais, o que é muito importante. E Glenn Close, claro, já recebe elogios, ampliando todo o buzz. Enquanto isso, A Dama de Ferro é desnecessariamente guardado a sete chaves, com estreia marcada apenas para dezembro nos cinemas norte-americanos. Junte a isso, também, uma publicidade pavorosa (o pôster é lamentável, o teaser pouco diz sobre o filme) e o fato de Phyllida Lloyd permanecer uma incógnita. Enquanto não assistirmos a nada de consistente em relação ao filme, podemos dizer, com folga, que este trailer de Albert Nobbs já confirma vantagem de Glenn Close na disputa neste duelo de divas. Agora, vamos esperar o próximo capítulo…

%d blogueiros gostam disto: