Cinema e Argumento

Across the Universe

Music’s the only thing that makes sense anymore, man. Play it loud enough, it keeps the demons at bay.

Direção: Julie Taymor

Elenco: Jim Sturgees, Evan Rachel Wood, Joe Anderson, Dana Fuchs, Martin Luther

EUA, 2007, Musical, 131 minutos, 12 anos.

Sinopse: Década de 60. Jude (Jim Sturgess) e Lucy (Evan Rachel Wood) estão perdidamente apaixonados. Juntamente com um grupo de amigos e músicos, eles se envolvem nos movimentos da contracultura de Liverpool, tendo como guias do dr. Robert (Bono Vox) e o sr. Kite (Eddie Izzard).

2007 foi o ano da música no cinema. Depois de Dreamgirls e Hairspray, o cinema americano ainda produziu Não Estou Lá e Apenas Uma Vez, ambos ainda inéditos no Brasil. Mas foi esse Across The Universe que mais chamou a atenção do público cult. Basicamente porque se baseia no repertório dos Beatles para contar uma história de amor em tempos de repressão. O que poderia ser um mar de previsibilidade feito apenas para puxar o saco da banda acabou se tornando em um musical satisfatório, totalmente livre da imagem dos Beatles. Longe de qualquer apelo comercial, Across The Universe é um musical diferente por causa de sua imagem de cinema independente.

Em diversos momentos, o filme lembra Moulin Rouge! – Amor em Vermelho, pelo simples fato de utilizar todo o esplendor estético e visual das cenas para aumentar o impacto dos números musicais, principalmente nas cores vibrantes e nos efeitos visuais. A produção não é requintada, mas o apelo visual é grande. O repertório dos Beatles se encaixou perfeitamente na história, com músicas que realmente funcionam e conquistam nas cenas em que são respectivamente tocadas, como Hey JudeStrawberry Fields Forever. E alguém não ficou apaixonado com o final ao som de All You Need is Love? Simplesmente memorável! Mesmo eu não sendo fã cego da banda, acabei completamente envolvido pelas músicas.

Fiquei mais do que satisfeito com a escolha do elenco. Jim Sturgess foi o que mais me cativou: tem todo o carisma necessário para o papel e canta muito bem (lembrando muito a voz de Ewan McGregor no musical de Baz Lührmann). Grande revelação. Evan Rachel Wood, apesar de um pouco apagada, continua comprovando o seu talento, que foi apresentado anteriormente em Aos Treze. Praticamente todos do elenco são desconhecidos, mas ficaram perfeitos em seus papéis, sem nenhuma exceção. Ainda tem pequenas participações do Bono, do U2 (em aparição bem descartável e inútil) e da Salma Hayek (que pediu uma ponta para a diretora Julie Taymor, com quem havia trabalhado anteriormente em Frida).

Agora as reclamações. A duração é  excessiva isso fica evidente durante seu desenvolvimento, que fica sem ritmo em vários momentos. Esse é um defeito que pesa bastante na minha avaliação. Também achei que tem muita música para pouca história. São raros os momentos em que os ouvidos podem descançar da cantoria. Algumas tomadas também se excedem na excentricidade, principalmente aquela do circo imaginário, completamente chata. Apesar desses defeitos quase debilitantes para o andamento de tudo, Across The Universe tem um bom resultado. A inclusão dele na categoria de melhor filme comédia/musical no Globo de Ouro, junto com Hairspray, é mais uma prova de que esse gênero voltou com tudo nesses últimos tempos. Voltou para conquistar novos fãs com suas temáticas cada vez mais atraentes.

FILME: 7.5


%d blogueiros gostam disto: