Melhores de 2010 – Direção de Arte

O mundo imaginário criado para ilustrar o mundo maluco do dr. Parnassus (Christopher Plummer) não teria o mesmo efeito se não fosse a direção de arte. O diretor do filme, Terry Gilliam costuma sempre caprichar nesse segmento e, inclusive, ele é o responsável pela direção de arte do filme junto com David Warren. Utilizando decorações e cenários extremamente alegóricos, esse setor técnico consegue chamar a atenção sem cometer exageros visuais. Tudo o que podemos perceber na direção de arte de O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus é fruto de um trabalho simples e que também tem muito de origem teatral. Nada mais apropriado para um longa que tem o teatro de rua como sua principal engrenagem. Essa é uma história que não agrada a todos e que ficou marcado por ser o último trabalho do falecido Heath Ledger. Contudo, vale ressaltar que, apesar das falhas, O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus tem os seus méritos. E, possivelmente, a direção de arte é o maior deles.

A JOVEM RAINHA VICTORIA

Estranho como, na maioria das vezes, só costumam reconhecer os figurinos dos filmes de época. O que seria dessas produções se não fosse, também, a direção de arte? A Jovem Rainha Vitória tem a sua parte técnica ainda mais requintada em função do ótimo trabalho na direção de arte. O visual palaciano está muito bem representado em cenários decorados com exatidão e também no detalhismo de cada set utilizado para narrar a história da rainha Vitória (Emily Blunt).

SHERLOCK HOLMES

Por mais que seja um dos filmes mais insuportáveis do ano, Sherlock Holmes tem alguns aspectos interessantes. O primeiro deles é, sem dúvida, a ótima trilha de Hans Zimmer. Mas, também, não dá para deixar de lado a boa direção de arte que ajuda a levar o espectador ao mundo do protagonista. Conquistando pela simplicidade, não é um trabalho de grandes aspectos. Entretanto, faz o necessário para que o saldo seja uma boa ferramente para ilustrar a época em que o personagem-título vive.

TRON – O LEGADO

Não sei o porquê de tão poucos terem se encantado com o lado técnico de Tron – O Legado. Fiquei impressionado com a técnica do filme, especialmente no uso dos efeitos e no setor sonoro. Arquiteto e engenheiro mecânico que se tornou criador multimídia, o diretor Joseph Kosinski utilizou toda sua formação profissiional para criar o mundo tecnológico que assistimos no filme. O resultado? Uma direção de arte diferente e muito interessante.

ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS

Confesso que nem a parte técnica de Alice no País das Maravilhas conseguiu me empolgar. Nada do que vemos aqui nos remete ao melhor que Tim Burton já produziu, mas é o suficiente para explorar o mundo encantado em que a jovem Alice (Mia Wasikowska) chega. Usando muitas cores e extravagâncias, a direção de arte tenta atrair atenção para si e disfarçar o fraco roteiro. Normalmente, isso seria um erro. Mas, aqui, isso chega até a ser positivo. Já que Alice não acerta no conteúdo, pelo menos tem uma embalagem bem elaborada.

_

Escolha do público:

1. Alice no País das Maravilhas (9 votos, 28.13%)

2. A Jovem Rainha Vitória (7 votos, 21.88%)

3. O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus (7 votos, 21.88%)

4. Sherlock Holmes (5 votos, 15.63%)

5. Tron – O Legado (4 votos, 12.05%)

8 comentários em “Melhores de 2010 – Direção de Arte

  1. Película Criativa, eu não gosto tanto do filme, mas a direção de arte é ótima!

    Kamila, a direção de arte de “A Jovem Rainha Vitória”, assim como a de quase todos os filmes de época, é muito subestimada.

    Mayara, ótima escolha =)

    Reinaldo, temos concordado bastante ultimamente, não? =D

    Weiner, “Harry Potter” quase entrou na minha lista!

    Fael, assista “O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus”, então! Acho que, provavelmente, ele estará

  2. Não vi O mundo imaginário do Dr. Parnassus e ele acabou ficando de fora de muitas indicações no meu blog. Nossa seleção está bem diferente aqui. Em comum apenas Sherlock Holmes, e acabo ficando com esse!

  3. Gosto demais de seus indicados (pra variar, rs), mas senti falta de “Harry Potter e As Relíquias da Morte – Parte 1”, o trabalho de direção de arte, que na minha opinião, é o melhor do ano de 2010.

  4. Meu voto vai para O mundo imaginário do Dr. Parnassus.

    Sou fã do cinema de Terry Gilliam e acho que esse filme não foi bem recebido pelo público, o que é uma pena. È um belo trabalho, com uma história bizzara e estética super interessante. Também gostei muito do elenco do filme.

    Meu blog de cinema: http://peliculacriativa.blogspot.com/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: