48º Festival de Cinema de Gramado #3: “Construção”, de Leonardo da Rosa, é o vencedor da Mostra Gaúcha de Curtas

Cerimônia contou com participação online dos concorrentes. Foto: Cleiton Thiele/Pressphoto.

Foi sem público presencial no Palácio dos Festivais e com os concorrentes participando de forma remota que o 48 Festival de Cinema de Gramado anunciou, no final da tarde desta quarta-feira (23), os vencedores da tradicional Mostra Gaúcha de Curtas, promovida em parceria com a Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. E, pelo segundo ano consecutivo, uma produção da Universidade Federal de Pelotas leva o prêmio de melhor filme: o documentário Construção, de Leonardo da Rosa, também consagrado nas categorias de melhor direção e montagem. Outra produção de destaque na lista de vencedores foi Deserto Estrangeiro, de David Pretto, com os prêmios de melhor atriz para Isabél Zuaa, melhor ator para Mauro Soares e melhor fotografia para Luciana Baseggio. Equilibrada, a premiação laureou aqueles que de fato foram os melhores filmes de uma boa edição da mostra. Cada um a sua maneira, Construção Deserto Estrangeiro desvelam mazelas importantes da nossa sociedade com com experimentação e pungência, seja na forma de um sólido documentário de natureza observacional ou nas particularidades de um drama que ganha traços de horror e suspense ao radiografar os traumas do colonialismo. O júri formado por Adriano Garret, Karla Holanda, Fernando Dias, Zezita Matos e Maria Abdalla acertou em cheio.

Confira abaixo a lista de vencedores:

MELHOR FILME: Construção, de Leonardo da Rosa
MELHOR DIREÇÃO: Leonardo da Rosa (Construção)
MELHOR ATRIZ: Isabél Zuaa (Deserto Estrangeiro)
MELHOR ATOR: Mauro Soares (Deserto Estrangeiro)
MELHOR ROTEIRO: Richard Tavares (Desencanto)
MELHOR FOTOGRAFIA: Luciana Baseggio (Deserto Estrangeiro)
MELHOR MONTAGEM: André Berzagui e Arthur Amaral (Construção)
MELHOR DIREÇÃO DE ARTE: Alice Sperb e Thiago Dorsch (Sopa Noir)
MELHOR MÚSICA/TRILHA SONORA: Valmor Pedretti (Magnética)
MELHOR DESENHO DE SOM: Gabriel Portela (Letícia Monte Bonito 04)
MELHOR PRODUÇÃO EXECUTIVA: Matheus Heinz (Lacrimosa)
PRÊMIO ESPECIAL DO JÚRI: O Que Pode Um Corpo?, de Victor Di Marco e Márcio Picoli
MELHOR FILME (JÚRI DA CRÍTICA): Fragmentos ao Vento 1945, de Ulisses Da Motta, com menção honrosa para Construção, de Leonardo da Rosa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: