Um pouco sobre curtas…

24 HORAS COM CAROLINA, de Eduardo Wannmacher: Histórias de amores mal resolvidos e pessoas separadas pelo tempo sempre me fascinam. E 24 Horas Com Carolina sabe dosar muito bem esses elementos e ainda ter um quê de nostalgia. A sutil direção de Eduardo Wannmacher e o excelente trabalhos dos atores dão o tom certo a esse curta que, ao ser dramático e também espirituoso, sempre tem algo de muito agridoce. Até mesmo os momentos mais felizes entre os personagens nos deixam a sensação de que não são tão felizes assim. Afinal, são muito breves… Simples, humano e eficiente.

ELEFANTE NA SALA, de Guilherme Petry: Foi o vencedor da categoria principal da mostra gaúcha de cinema do 40º Festival de Cinema de Gramado. Não era o melhor em competição, mas certamente tem os seus méritos. E o melhor deles é guardar uma certa revelação para o final, que finalmente dá sentido a um curta que até então parecia ser apenas sobre as atividades corriqueiras de um jovem (Samuel Reginatto, de Os Famosos e os Duendes da Morte). Elefante na Sala, portanto, vale por seu desfecho, cuja mensagem é contemporânea e, por que não, bastante introspectiva.

GARRY, de Richard Tavares e Bruno Carboni: Belo exemplo de como misturar documentário e ficção de forma interessante e  bastante dinâmica. Garry, além de se beneficiar de uma instigante entrevista (Garry Kasparov, considerado o maior jogador de xadrez de todos os tempos), consegue usar o jogo em questão para fazer paralelos com a vida. Inteligente sem ser pretensioso mas ao mesmo tempo acessível sem cair no lugar-comum, Garry tem muitos de seus acertos na disciplinada direção de Richard Tavares e Bruno Carboni. Uma grata surpresa.

LINEAR, de Amir Admoni: É um daqueles curtas cuja técnica é tão impressionante que a história em si nem precisa ser muito mirabolante. A sinospe (“a linha é um ponto que saiu andando”) fala definitivamente tudo sobre Linear, que mostra com efeitos visuais minuciosos a vida de um ponto desenhando as linhas que separam as duas mãos de uma estrada. O diretor Amir Admoni, que tem vasta experiência em animações, faz jus ao que aprendeu em trabalhos na Disney e na MTV. Além de ser um trabalho detalhista em sua técnica, Linear também é muito curioso e divertido.

A TRISTE HISTÓRIA DE KID PUNHETINHA, de Andradina Azevedo e Dida Andrade: Julgando pelo título, seria uma comédia. Só que A Triste História de Kid Punhetinha é um drama sobre uma gravidez precoce que está prestes a ser interrompida em uma clínica de aborto. Por outro lado, se é uma surpresa constatar essa subversão do filme em relação ao título, o mesmo já não se pode dizer do resultado final, pois o curta é extremamente convencional em seus dilemas e também em suas resoluções. Sem falar que o preto-e-branco é desnecessário e metade das tomadas silenciosas (introspectivas?) poderiam ser mais enxutas. Cria expectativas mas não as cumpre.

2 comentários em “Um pouco sobre curtas…

  1. Assisto a poucos curtas, infelizmente…. Mas, acho muito legal você dar espaço a esse tipo de produção aqui no blog! Parabéns pela iniciativa!

Deixe uma resposta para Matheus Pannebecker Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: