Filmes em DVD

O Quarto do Filho, de Nanni Moretti (revisto)

Com Nanni Moretti, Laura Morante e Jasmine Trinca

O Quarto do Filho é uma aula de como se deve conduzir um filme sobre perdas sem ser piegas. É impressionante a naturalidade do longa – o roteiro flui de forma especial, fazendo com que nós realmente acreditemos naquela tragédia e, junto com os personagens, passemos por toda a dor deles. Mais verossímil ainda é a escolha do elenco, todos impecáveis e grandes atores. Merecidamente vencedor da Palma de Ouro em Cannes, O Quarto do Filho penetra na pele e arrepia, com uma dramaticidade única e sincera a todo o momento. Certamente não é uma produção de fácil digestão, mas para aqueles que gostam de apreciar esse tipo de filme, é um prato cheio. Altamente recomendado.

FILME: 8.5 

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa, de Woody Allen (revisto)

Com Woody Allen, Diane Keaton e Shelley Duvall

Tinha visto esse premiado filme de Woody Allen há muito tempo atrás e não tinha apreciado muito o resultado. Achei que eu o compreenderia melhor com o tempo, devido à sua história adulta sobre a complexidade dos relacionamentos, mas nada se modificou. Continuo definindo Noivo Neurótico, Noiva Nervosa apenas como uma boa comédia e nada mais. Tem vários momentos originais (o protagonista interagindo com o espectador, os pensamentos dos personagens sendo mostrados durante alguns diálogos) e o casal tem um excelente timing cômico, até porque Keaton e Allen tiveram um relacionamento e o filme é meio que uma homenagem para ela (o título original, Annie Hall, refere-se a Diane Hall, verdadeiro nome de Keaton e Annie que é seu apelido na vida real). Entretanto, a grande premiação no Oscar (incluindo a categoria principal) foi um completo exagero. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa é uma simples comédia, que nem marcante é. Só Keaton e Allen mereceram os seus devidos reconhecimentos pelo longa

FILME: 7.5

Miss Potter, de Chris Noonan

Com Renée Zellweger, Ewan McGregor e Emily Watson

 

Tudo em Miss Potter é no diminuitivo: legalzinho, bonitinho, bem feitinho… O longa é bem simpático, mas correto demais em todos os aspectos; o que, de certa forma, não atrapalha de jeito nenhum o resultado, mas que simplesmente comprova que o filme poderia ter sido bem superior caso tivesse uma direção mais autêntica e que desse mais personalidade ao roteiro. Acompanhar a versão cinematográfica da vida da escritora Beatrix Potter (Renée Zellweger, que um dia foi uma marcante atriz e que hoje não passa de uma pessoa neutra) é tarefa bem passageira mas satisfatória na medida para valer uma espiada. Nada de inteligente, ousado ou muito atraente. Só aceitável.

FILME: 6.5

Embriagado de Amor, de Paul Thomas Anderson

Com Adam Sandler, Emily Watson e Philip Seymour Hoffman

O menor trabalho da carreira do competente diretor Paul Thomas Anderson e que, estranhamente, lhe deu o prêmio de melhor diretor no festival de Cannes. Embriagado de Amor não é uma comédia romântica comum, isso é fato – até porque nem parece se encaixar nesse gênero, devido a complexidade de seus personagens e a alguns tons dramáticos – mas não tem nada de genial ou muito estimulante. As situações são divertidas e os personagens um pouco estranhos (Emily Watson, apesar de ótima, parece bem deslocada), fazendo com que o longa não conquiste qualquer um. O resultado é satisfatório, só acredito que o roteiro precisava um pouco mais de empenho, já que no final das contas vai culminar em final óbvio. O que se deve destacar é a interpretação do Adam Sandler, na melhor de sua fraca carreira. Anderson merecia o prêmio em Cannes por qualquer outro filme de sua carreira, mas por alguma razão misteriosa o premiaram por esse.

FILME: 7.0

Entre Dois Amores, de Sydney Pollack

Com Meryl Streep, Robert Redford e Klaus Maria Brandauer

Meryl Streep é a nossa heroína-solo nesse longa do recentemente falecido diretor Sydney Pollack – durante os longos 160 minutos de filme, ela é a única personagem constante, já que todos estão sempre indo e vindo, não passando de meros coadjuvantes. Streep mais uma vez consegue apresentar um excelente desempenho, segurando praticamente sozinha esse filme estranho. Ela cria sotaque dinamarquês, doma tigres com chicote, trabalha na lavoura e entra de corpo e alma no projeto. Não é um dos melhores momentos de sua carreira, mas a paixão dela pelo projeto é mais do que visível. Entre Dois Amores recebeu uma tradução equivocada aqui no Brasil, já que o filme nem se trata de uma história de amor. Na realidade, o gênero não fica bem definido – mas, resumindo, é um épico grandioso sobre a solidão de uma mulher ao ser “abandonada” pelo marido e que tem que lidar com a extensa produção de café que comprou. Dá pra entender o porquê do longa ter conquistado sete Oscar, incluindo melhor filme (mas não de atriz). Mas não consegui ficar sem a sensação de que estamos vendo um filme que quer apenas ser um marco épico na história do cinema como …E O Vento Levou.

FILME: 6.5

Antes e Depois, de Barbet Schroeder

Com Meryl Streep, Liam Neeson e Alfred Molina

Meryl Streep resolveu se divertir um pouquinho com esse Antes e Depois, pois não fica muito claro o porquê da atriz ter se envolvido em um projeto tão óbvio e previsível. A história não pode ser mais batida (os pais procurando a verdade sobre um assassinato que possivelmente o filho deles poderia ter cometido) e o longa não tem nem tom de suspense, pois de tão simples que é a trama, não desperta interesse nenhum. De qualquer forma, é mais um daqueles filmes que ficamos grudados até o fim só para saber o desenrolar de tudo. Mais interessante ainda é quando temos atores competentes no comando. Meryl e Neeson fazem de Antes e Depois uma diversão aceitável. Porém, infelizmente, tudo é muito passageiro e não consegue deixar qualquer impressão.

FILME: 6.5

Maria, de Abel Ferrara

Com Forest Whitaker, Juliette Binoche e Marion Cotillard

É muito complicado quando um filme resolve tocar no assunto religião. Um deslize, e o filme já é apedrejado. Maria se sai bem nesse quesito, conseguindo abordar bons questionamentos sobre a fé e a verdadeira identidade de Jesus de forma interessante. O problema do trabalho de Abel Ferrara é que ele praticamente não funciona como um produto cinematográfico, tornando-se uma experiência monótona e neutra como cinema. Ainda assim, é a figura de Forest Whitaker que atribui qualidade ao filme. Ele, pouco antes de ganhar o seu Oscar de ator por O Último Rei da Escócia, é o ponto de maior destaque. Já Juliette Binoche e Marion Cotillard têm pouco a fazer, em aparições passageiras e mal aproveitadas. Maria é um filme feito para se discutir, e consegue obter êxito com isso. Mas estamos falando de cinema.

FILME: 6.0

13 comentários em “Filmes em DVD

  1. Red Dust, “O Quarto do Filho” é um dos melhores dramas que já assisti sobre algum tipo de perda.

    Hugo, quero muito assistir “Gente Como a Gente”

    Cecilia
    , acho que “O Quarto do Filho” é um filme muito sincero e verdadeiro.

    Kamila, acho que o melhor filme de Woody Allen é “Interiores”. E, realmente, “Entre Dois Amores” é um épico que envelheceu bastante.

    Vinícius, como vi poucos trabalhos do cinema italiano, “O Quarto do Filho” é o meu favorito.

    Wally, acho que o problema de “Miss Potter” é a direção – totalmente sem personalidade.

    Hélio, eu até entendo as intenções do Paul Thomas Anderson, mas não consegui ser muito envolvido por “Embriagado de Amor”.

    Luis Fernando, de Woody Allen, fico com “Interiores”.

    Lucas, o que mais gosto em “Noivo Neurótico, Noiva Nervoa” é justamente a ironia. do humor.

    Pedro, achei apenas bons filmes.

    Gustavo, gostei mais de “Entre Dois Amores” por causa da Meryl Streep.

    Roberto, achei “Maria” bem fraquinho.

  2. Vi Entre Dois Amores – que a essas alturas já se tornou um épico romântico – e Antes e Depois (que só vale pela presença da Meryl Streep). Quero muito ver Maria, do Abel Ferrara, mas ainda não tive oportunidade de conferir (aqui no meu bairro esse filme não para nas prateleiras). Quanto a Embriagado de Amor, quero ver pois já li muitas críticas boas e más do filme que me deixaram curioso.

    Discutir Midia e cultura (meu outro blog):
    http://robertoqueiroz.wordpress.com

  3. Desses todos, só vi ENTRE DOIS AMORES. Realmente não está no nível de um clássico como E O VENTO LEVOU, mas ainda assim é um drama épico muito bem-cuidado, com paisagens maravilhosas e uma Meryl Streep sempre soberba.

  4. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa é maravilhoso, um romance extremamente irônico.

    Embriagado de Amor é ótimo, o trabalho de direção desse filme é fenomenal.

    Os outros não vi.

  5. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (nota: 9.0), mesmo gostando muito deste longa, prefiro ”A Rosa Purpura do Cairo”.

    Embriago de Amor (nota: 8.5), é simples, mas para mim foi melhor que ”Sangue Negro”.

  6. Tambem nao vi todos, mas dos que vi, discordo sobre Embriagado de Amor. Tambem acho um filme “menor” de PT Anderson, mas talvez porque seja justamente pelo seu interesse de fazer algo menos grandioso. É o unico de seus filmes (com excelçao do primeiro, Jogada de Risco) que nao ha maiores pretensoes. Mas nao deixa de ser um filme genial, com muitos dos elementos que fazem a fama do diretor, como as longas sequencias pontuadas por trilha sonora que aumentam a tensao ou o uso da fotografia e elementos de cena para compor a trama (aqui, um uso muito interessante de cores).

    Quanto ao fato de ele ganhar premio de direção em Cannes justamente com um filme “pequeno”, acredito que ha uma boa justificativa: é um filme de tom onirico, cujas referencias mais se aproximam do cinema de David Lynch. E foi justamente Lynch o presidente do júri do Festival de Cannes daquele ano.

    Abraços!

    Abraços!

  7. Que aberração! Vi apenas 1 ;(

    Miss Potter: Tudo isso que você disse mesmo. O filme é bom, o elenco agrada, mas é tudo muito comum. [***] 6,5

    Ciao!

  8. Da sua lista, só não vi dois filmes. Os demais:

    O QUARTO DO FILHO [9.0 ou *****] Amo esse filme, sem dúvida é um dos dez melhores ‘estrangeiros’ que já vi (e o melhor italiano ao lado de “Amarcord”). Incrível como emociona com sua simplicidade, não esperava isso – mas no final estava devastado.

    NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA [9.0 ou *****] Considero esse o melhor filme do Woody Allen ao lado de “Match Point” e a melhor comédia romântica que já vi – e nem sou muito fã do gênero.

    MISS POTTER [6.5 ou ***] Esse filme sofre de uma falta de personalidade tremenda, tudo muito convencional e que não fez a menor diferença em minha vida. Ainda assim, é bem realizado e tem um bom elenco.

    EMBRIAGADO DO AMOR [8.0 ou ****] Sou suspeito para falar porque gosto de tudo do PT Anderson. Sandler entrega sua melhor atuação aqui.

    MARIA [6.0 ou ***] Também não fiquei muito encantado com esse polêmico filme do Ferrara, mesmo com o excelente desempenho do Whitaker. Abraço!

  9. Comentando somente os que assisti:

    O QUARTO DO FILHO: O filme tem um tema muito difícil, que é apresentado de forma muito sensível pelo Nanni Moretti. No entanto, confesso que – pelos comentários elogiosos demais a respeito do longa – a película acabou não correspondendo às minhas expectativas.

    NOIVO NEURÓTICO, NOIVA NERVOSA: Para mim, é o melhor filme feito pelo Woody Allen. A obra é tão boa que até a Academia não resistiu ao charme e premiou o filme na sua categoria mais importante – o que é raro em se tratando de longas de comédia.

    EMBRIAGADO DE AMOR: Na minha opinião, o filme mais fraco feito pelo PT Anderson. Não gosto nada, nada, desse longa. Nem da atuação do Adam Sandler.

    ENTRE DOIS AMORES: A cena de abertura desse filme é inesquecível para mim. No entanto, acho que foi uma daquelas obras que envelheceu, já que, dificilmente, alguém consegue assistir a este filme mais de uma vez.

  10. Acho O Quarto do Filho um filme único, maravilhoso e muito dolorido… Como sou mãe, me senti completamente tocada e envolvida. Excelente!

  11. Da lista destaco “O Quarto do Filho”, grande drama sobre perda e dor, uma ótima direção de Nanni Moretti. Se você gostou procure um filme antigo (1980) chamado “Gente como a Gente” dirigido por Robert Redford, o tema é muito parecido e a realização tão boa quanto este.

    Abraço

  12. ‘O Quarto Do Filho’ / a dor vista de frente. Um drama cru e forte. Um dos filmes mais citados, nos últimos anos, do cinema europeu. Aliás, um belo exemplo de qualidade.

    8/10.

    Abraço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: