WALL•E

Direção: Andrew Stanton

Com as vozes de Ben Burtt, Elissa Knight, Jeff Garlin, Fred Willard, Kathy Najimy, Sigourney Weaver

EUA, 2008, Animação, 105 minutos, Livre.

Sinopse: Após entulhar a Terra de lixo e poluir a atmosfera com gases tóxicos, a humanidade deixou o planeta e passou a viver em uma gigantesca nave. O plano era que o retiro durasse alguns poucos anos, com robôs sendo deixados para limpar o planeta. Wall-E é o último destes robôs, que se mantém em funcionamento graças ao auto-conserto de suas peças. Sua vida consiste em compactar o lixo existente no planeta, que forma torres maiores que arranha-céus, e colecionar objetos curiosos que encontra ao realizar seu trabalho. Até que um dia surge repentinamente uma nave, que traz um novo e moderno robô: Eva. A princípio curioso, Wall-E logo se apaixona pela recém-chegada.

A Pixar chega ao auge de sua genialidade com WALL-E, animação surpreendente que, além de ser o melhor filme do ano, também consegue ser a mais grandiosa e bem produzida do cinema nos últimos tempos.”

Foi só ano passado, com o maravilhoso Ratatouille, que a Pixar conseguiu realmente chamar a minha atenção. Não é que eu não gostasse da produtora, mas sinceramente eu não via nada de tão genial em suas animações. Inclusive eu tinha me decepcionado bastante com um de seus maiores sucessos, o superestimado Os Incríveis. Fui conferir WALL-E com zero expectativa, ainda que eu estivesse curioso demais para conferir se o filme do ratinho do cozinheiro tinha sido apenas um golpe de tremenda sorte da produtora. O fato é que o novo filme da Pixar é surpreendente, e o melhor que ela já realizou. Sem falar que é a melhor animação que aparece pelo cinema em anos.

Pra começar, temos um diretor incrivelmente competente. Andrew Stanton comanda o filme de forma segura e impecável, sabendo controlar cada mínimo detalhe de seu filme. Unindo-se a isso, temos um roteiro brilhante – a história não podia ser mais improvável e se torna um produto de pura genialidade, conferindo verossimilhança e emoção em cada minuto. O que também o favorece é sua curta duração, são ligeiros 105 minutos de pura diversão. WALL-E é quase desprovido de diálogos – e ao contrário do que se possa imaginar, isso não afeta em nenhum momento o ritmo do longa. Muito pelo contrário, as expressões de nosso protagonista conseguem dizer tudo o que palavras talvez não conseguiriam. Mais do que nunca, uma imagem vale mais do que mil palavras. O robozinho é humano – tem medo, coragem, curiosidade e… amor. A animação de Andrew Stanton termina por ser uma tímida história de amor, que pouco a pouco vai se tornando cada vez mais sincera. Além disso, faz uma enorme crítica sobre a alienação da população, que só fica sentada em frente do computador, comendo, engordando e esquecendo-se do quão importante é o sense of touch, como diria Crash – No Limite.

Por os diálogos serem mínimos, WALL-E usa e abusa da estupenda trilha sonora do genial Thomas Newman. Ele, que absurdamente até hoje não tem um Oscar em mãos, realiza possivelmente o melhor trabalho de toda a sua carreira de compositor. Nunca ouvi em seu currículo uma trilha tão diversificada, original e minimalista. Esse é um dos pontos altos do filme, pois a música é o que também dota o filme de emoção. A grandiosidade e o detalhismo do desenho dispensam comentários, uma vez que as animações de hoje em dia se aperfeiçoam cada vez mais nesse quesito. Mas o mais impressionante é como conseguiram dar expressões tão verdadeiras para um robô. É por esse e outros motivos que Wall-E merece ser coroado com o Oscar por seu brilhantismo. E não apenas na categoria de desenho animado, os efeitos sonoros também são incríveis e dignos de reconhecimento.

Se existe um ponto fraco em WALL-E, esse é a repetição de seu humor. Assistimos sempre a mesma coisa – as estripulias do robô tentando compreender novos mundos. Mas estranhamente eu não vejo isso como um fator negativo. É extremamente gratificante sair da sala de cinema com uma sensação positiva por ter visto algo realmente genial. A animação é isso – estupenda, muito bem orquestrada e até agora a melhor surpresa do ano. E o melhor filme também.

PS: Procure assistir aos créditos finais, que são um primor de beleza estética, sem falar da linda música de Peter Gabriel, “Down To Earth”.

FILME: 9.0

45

19 comentários em “WALL•E

  1. Oi o nome da música dos créditos final do filme é “down to earth”!!Filme nota 10!!

  2. Olá…Gostaria muito de saber se alguém sabe o nome da música que aparece nos cráditos finais do filme Wall e, na verdade eu queria o vídeo dos créditos finais…se alguém encontrar ou souber o nome da música, agradeço!

  3. Caramba! Realmente acho que fui o único que não achou o filme tão bom assim! Pelo jeito vou ter que assistir de novo, vai que eu perdi alguma coisa …

  4. Vinícius, “WALL-E” é o melhor filme já realizdo pela Pixar! E acho que as chances do Thomas Newman ganhar um Oscar são imensas, já que além de estarem corrigindo um erro do passado (absurdo ele não ter uma estatueta até hoje), estariam também coroando essa linda trilha sonora.

    Wally, sei que você já gostou do resultado! =)

    Louis, “WALL-E” é a melhor animação que vi desde que me tornei um cinéfilo de carteirinha. Como só assisti aos antigos clássicos quando eu era bem novo, não os considero na minha lista.

    Ibertson, acho que esse filme da Pixar é a animação que mais recebeu elogios nos últimos tempos.

    Isabela, procure assistir, o filme é surpreendente.

    Peter, acho que o “WALL-E” vai ganhar diversos Oscars e acho que tem potencial para chegar aos cinco finalistas na categoria principal. Em breve vou conferir o filme novamente também!

    Kamila, mesmo com altas expectativas, o filme surpreende…

    Lucas
    , só comecei a gostar da Pixar com ”Ratatouille”, já que acho ”Os Incríveis” muito superestimado.

    Cecília
    , mesmo que “WALL-E” não seja um filme tão infantil quanto os realizados atualmente, acho que afeta mais as crianças do que esses desenhos bobos de bichos falantes que eu já não aguento mais =P

    Rafael, também não considero “Ratatouille” uma obra-prima, apesar de achar maravilhoso. Mas eu encaixo “WALL-E” como uma obra-prima.

    Vinícius, assista – o resultado é surpreendente.

    Sérgio
    , desde já antecipo – “WALL-E” é o vencedor do Oscar 2009 de Melhor Animação.

    Pedro
    , depois quero ler sua opinião.

    Francisco
    , depois também quero ler sua opinião.

    Peter, acho que vou gostar ainda mais quando revê-lo, o que deve acontecer logo logo.

  5. Fui ver ‘WALL-E’ pela segunda vez hoje.

    Veredito? BEM MELHOR do que da primeira, acredite. Vi mais coisas que não tinha prestado atenção.
    Sim, o melhor filme de 2008.

    =)

  6. Por ser um dos favoritos ao Oscar de animação vou acabar conferindo, ainda não criei nenhuma expectativa quanto ao filme.. tomara q seja bom mesmo…

    vlws

  7. Apesar de todos os comentários positivos em relação a Wall-E, não quero criar grandes expectativas para esse filme. Isso pode estragar um pouco a apreciação, como aconteceu com Ratatouille ano passado (do qual gosto, mas não considero a obra-prima que muitos dizem). De qualquer forma, vindo da Pixar, basta só esperar por algo de ótma qualidade.

  8. Eu também gostei muito do filme. Mas, diferente de você, sou daquelas que não perde uma estréia de animação. Primeiro porque sou mãe e segundo porque gosto mesmo.
    Achei o filme superior aos outros do gênero…

  9. A cada crítica nova que leio sobre “Wall-E”, maiores são as minhas expectativas para assistir ao filme.

  10. Enfim uma coisa que concordamos! Parece que quando vamos ao cinema juntos a gente acaba concordado, né Ruthie? Hahaha.

    Enfim, let’s get back to business. QUE TRILHA. Baixei e ouvindo em casa faz completo sentido sem o filme junto. Essas são as melhores trilhas para mim. Impecável. Merece já ganhar o Oscar (a menos que o nosso queridinho Philip Glass apareça com alguma coisa até o final do ano, haha).

    E o filme? Sinceramente, até agora, o único que eu colocaria entre os cindo finalistas a Oscar de Melhor Filme.

    Oscar de Melhor Animação? Já ganhou. E olha que ano passado eu te falei a mesma coisa quando a gente saiu da sessão de ‘Ratatouille’, lembra?

    Take care, kiddo!

    P.S.: Estou indo ver ‘WALL-E’ (que, segundo o IMDB, se escreve com maiúsculas, pq é uma sigla) de novo amanhã, com a minha mãe. Amei completamente. Segundo filme do ano que vou ver mais de uma vez no cinema.

  11. O filme é sensacional!!!!! Não sei se o melhor da Pixar pq tem concorrentes de peso como Monstros SA e Procurando Nemo pra ocupar esse cargo. Mas realmente genial, Os minutos iniciais sem dialogos são sublimes…. O segundo ato peca um pouquinho mas o espetáculo visual é demais pra eu ter coragem de botar algum defeito. A história de amor é maravilhosamente conduzida e Wall-E já é um personagem inesquecível! :D

    Aliás, estou com blog novo:

    http://louisinreallife.wordpress.com/

    Já te relacionei por lá ;D

  12. Ai, que inveja! To louco para ver e só farei isso no Domingo. Todos só elogiam e só de saber que trata-se de um filme ainda superior à Ratatouille e melhor que Atonement me deixa com os nervos à flor da pele!

    Ciao!

  13. Mais uma opinião que vejo que considera esse como o melhor trabalho da Pixar. Ainda não vi “Wall-E”, mas a cada novo texto (especialmente os positivos como o seu) fico mais ansioso para conferir o filme. E bom saber da trilha do Thomas Newman, espero que ganhe um Oscar. Abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: