Cinema e Argumento

Os vencedores do Emmy 2019

Julia Garner, melhor atriz coadjuvante por Ozark: merecido prêmio da intérprete foi um dos pontos altos de uma noite com várias surpresas, mas igualmente empoeirada por um apego irremediável a Game of Thrones.

Tão oxigenada quanto empoeirada. Assim podemos definir a cerimônia de premiação do Emmy 2019. Afinal, é difícil entender como os votantes compreendem que o tempo de Veep já passou, mas seguem apegados a um passado glorioso já distante de Game of Thrones. É no mínimo desmoralizada a vitória do hit da HBO: segundo os votantes, o programa não tem o melhor roteiro, nem a melhor direção, muito menos os melhores protagonistas. No entanto, é a melhor série do ano? No final das contas, só quem fez par com o prêmio de melhor série pela mesma atração foi Peter Dinklage como ator coadjuvante.

A decisão surge um tanto imperdoável no ano em que o Emmy reservou surpresas pioneiras e agradabilíssimas, como o prêmio de atriz coadjuvante em série dramática para Julia Garner (Ozark), o de melhor ator em minissérie para Jharrel Jerome (When They See Us) e o de atriz coadjuvante em minissérie para Patricia Arquette (The Act). Mesmo Fleabag, que levou mais prêmios do que deveria em comparação à obra-prima que é a segunda temporada de The Marvelous Mrs. Maisel, é um excelente sinal de renovação para o Emmy. Coloque ainda na conta surpresas aclamadas como Billy Porter levando melhor ator por Pose, Michelle Willims sendo consagrada pela minissérie Fosse/Verdon e Jason Bateman surpreendendo em melhor direção de série dramática com Ozark.

E aí o Emmy resolve puxar o freio de mão com Game of Thrones no último prêmio da noite. Fica o mistério sobre o que passou pela cabeça dos votantes para celebrar a última temporada tão criticada por público e crítica do programa… Consagração pelo conjunto da obra? Prêmios como esse não são feitos para servir a tal propósito. Estamos aqui para eleger melhor série do ano (não o melhor legado), título que Game of Thrones já havia conquistado em quatro ocasiões no Emmy. Ano que vem, ao menos, estamos livres de uma estatueta como essa entregue no piloto-automático ou por algum tipo de saudosismo antecipado…

Confira abaixo a lista de vencedores do Emmy 2019:

MELHOR SÉRIE DRAMA: Game of Thrones
MELHOR SÉRIE COMÉDIA: Fleabag
MELHOR MINISSÉRIE: Chernobyl
MELHOR TELEFILMEBlack Mirror: Bandersnatch

MELHOR ATRIZ EM DRAMA: Jodie Comer (Killing Eve)
MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA: Phoebe Waller-Bridge (Fleabag)
MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Michelle Williams (Fosse/Verdon)

MELHOR ATOR EM DRAMA: Billy Porter (Pose)
MELHOR ATOR EM COMÉDIA: Bill Hader (Barry)
MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Jharrel Jerome (When They See Us)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM DRAMA: Julia Garner (Ozark)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM COMÉDIA: Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Patricia Arquette (The Act)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM DRAMA: Peter Dinklage (Game of Thrones)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM COMÉDIA: Tony Shalhoub (The Marvelous Mrs. Maisel)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Ben Whishaw (A Very English Scandal)
MELHOR DIREÇÃO EM DRAMA: Jason Bateman (Ozark, pelo episódio Reparations)
MELHOR ROTEIRO EM DRAMA: Jesse Armstrong (Succession, pelo episódio Nobody is Ever Missing)
MELHOR DIREÇÃO EM COMÉDIA: Harry Bradbeer (Fleabag, por Episode #2.1)
MELHOR ROTEIRO EM COMÉDIA: Phoebe Waller-Bridge (Fleabag, por Episode #2.1)
MELHOR DIREÇÃO EM MINISSÉRIE: Johan Renck (Chernobyl)
MELHOR ROTEIRO EM MINISSÉRIE: Craig Mazin (Chernobyl)

Apostas para o Emmy 2019

Na noite em que o Emmy provavelmente consagrará a última temporada de Game of Thrones que até mesmo os atores da série se esquivaram de comentar ou elogiar, as comédias e as minisséries podem muito bem roubar a cena da cerimônia. Se entre os dramas a disputa é apática, os outros segmentos reservam disputas tão interessantes quanto de alto nível. Afinal, seria o retorno de Veep com uma última temporada suficiente para acabar com o reinado absoluto de The Marvelous Mrs. Maisel, que, no ano passado, faturou as categorias de melhor série, atriz, atriz coadjuvante, roteiro e direção? E como os votantes irão reagir ao embate entre When They See UsChernobyl, as duas minisséries mais aclamadas de 2019? O suspense se estende às categorias de atuação, que estão tão plurais e indefinidas quanto o talento dos concorrentes? Abaixo, deixo alguns palpites para a cerimônia de hoje à noite, que será transmitida a partir das 21h, pela TNT. Antes disso, não deixe de passar na página oficial do Cinema e Argumento no Facebook para conferir, às 19h, a nossa live com comentários sobre cada uma dessas apostas.

MELHOR SÉRIE DRAMA: Game of Thrones / alt: Ozark
MELHOR SÉRIE COMÉDIA: The Marvelous Mrs. Maisel / alt: Veep
MELHOR MINISSÉRIE: When They See Us / alt: Chernobyl
MELHOR TELEFILMEBlack Mirror: Bandersnatch / alt: Deadwood

MELHOR ATRIZ EM DRAMA: Sandra Oh (Killing Eve) / alt: Laura Linney (Ozark)
MELHOR ATRIZ EM COMÉDIA: Julia Louis-Dreyfus (Veep) / alt: Rachel Brosnahan (The Marvelous Mrs. Maisel)
MELHOR ATRIZ EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Patricia Arquette (Escape at Dannemora) / alt: Michelle Williams (Fosse/Verdon)

MELHOR ATOR EM DRAMA: Jason Bateman (Ozark) / alt: Billy Porter (Pose)
MELHOR ATOR EM COMÉDIA: Bill Hader (Barry) / alt: Michael Douglas (The Kominsky Method)
MELHOR ATOR EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Jharrel Jerome (When They See Us) / alt: Mahershala Ali (True Detective)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM DRAMA: Julia Garner (Ozark) / alt: Fiona Shaw (Killing Eve)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM COMÉDIA: Alex Borstein (The Marvelous Mrs. Maisel) / alt: Olivia Colman (Fleabag)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Patricia Clarskson (Sharp Objects) / alt: Emily Watson (Chernobyl)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM DRAMA: Peter Dinklage (Game of Thrones) / alt: Nikolaj Coster-Waldau (Game of Thrones)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM COMÉDIA: Tony Shalhoub (The Marvelous Mrs. Maisel) / alt: Henry Winkler (Barry)
MELHOR ATOR COADJUVANTE EM MINISSÉRIE/TELEFILME: Asante Blackk (When They See Us) / alt: Stellan Skarsgård (Chernobyl)

Os vencedores do Oscar 2019

Olivia Colman e o Oscar de melhor atriz por A Favorita: apesar da sétima derrota de Glenn Close, prêmio foi para um papel e uma interpretação que ficarão para a posteridade.

Provando que um apresentador não faz falta alguma, o Oscar 2019 trouxe um desfecho inacreditavelmente indigesto para uma temporada tortuosa e de ideias muito confusas. Afinal, como a mesma Academia premia o fabuloso desempenho de Olivia Colman em A Favorita e o roteiro de Spike Lee em Infiltrado na Klan, mas consagra o empoeirado Green Book: O Guia como melhor filme e dá o título de longa mais premiado da noite para Bohemian Rhapsody? É simplesmente inexplicável. Há pouco o que se dizer de uma noite marcada por alguns prêmios disruptivos (além dos já citados, foi lindo ver Pantera Negra faturando trilha sonora, design de produção e figurino) que parecem ofuscados pela vitória de um filme antiquado, de mensagens ultrapassadas e que em qualquer universo sensato não se equivale tematicamente a Infiltrado na Klan, A Favorita Pantera Negra.

O que se leva da cerimônia são os discursos de Olivia Colman (por uma vitória merecida e ao mesmo tempo intrigante em melhor atriz), Spike Lee e Regina King, todos marcantes, e também a tradicional e poderosa performance vocal de Lady Gaga com “Shallow”, que lhe rendeu o prêmio de melhor canção. De resto, nada a ser lembrado. Se você pensava que as amargas vitórias de Crash – No LimiteO Discurso do Rei não poderiam ser superadas, a Academia sempre nos lembra, assim como o Brasil e o mundo ultimamente, que tudo sempre pode piorar.

Confira abaixo a lista completa de vencedores:

MELHOR FILME: Green Book: O Guia
MELHOR DIREÇÃO: Alfonso Cuarón (Roma)
MELHOR ATRIZ: Olivia Colman (A Favorita)
MELHOR ATOR: Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Regina King (Se a Rua Beale Falasse)
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: Green Book: O Guia
MELHOR ROTEIRO ADAPTADOInfiltrado na Klan
MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Roma
MELHOR ANIMAÇÃO: Homem-Aranha no Aranhaverso

MELHOR TRILHA SONORA: Pantera Negra
MELHOR CANÇÃO ORIGINAL: “Shallow” (Nasce Uma Estrela)
MELHOR MONTAGEM: Bohemian Rhapsody
MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: Pantera Negra
MELHOR FOTOGRAFIA: Roma
MELHOR FIGURINO: Pantera Negra

MELHOR MIXAGEM DE SOMBohemian Rhapsody
MELHOR EDIÇÃO DE SOM: Bohemian Rhapsody
MELHOR MAQUIAGEM & PENTEADOSVice
MELHORES EFEITOS VISUAISO Primeiro Homem
MELHOR DOCUMENTÁRIO: Free Solo
MELHOR CURTA-METRAGEM: Skin
MELHOR CURTA-METRAGEM (ANIMAÇÃO): Bao
MELHOR CURTA-METRAGEM (DOCUMENTÁRIO)Period. End of Sentence.

Apostas para o Oscar 2019 (e algumas breves impressões sobre os indicados, a cerimônia e os favoritos)

O Oscar 2019 já é histórico porque poucas vezes a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood se viu tão encurralada com a repercussão de suas escolhas inexplicáveis e catastróficas. Mal sabíamos, por exemplo, que a ideia de um prêmio para filmes populares lançada ainda em 2018 seria apenas o início de uma série de polêmicas: após voltar atrás dessa ideia, o Oscar também se viu sem apresentador (Kevin Hart abandonou o cargo após seus tweets homofóbicos serem desenterrados na internet) e em maus lençóis com praticamente toda a indústria ao decidir não apresentar ao vivo determinadas categorias técnicas, ao não convocar os atores vencedores de anos anteriores para que eles tradicionalmente apresentassem os consagrados deste ano e ao inventar que somente algumas das canções indicadas seriam apresentadas na cerimônia. O presidente da Academia, John Bailey, voltou atrás de todas as decisões, provando que tanto não tem tino para comandar o prêmio mais célebre do Cinema como é incapaz de tomar qualquer decisão com plena convicção. Tudo isso, aliado ao fato de que o Oscar 2019 tem uma das seleções mais fracas em pelo menos duas décadas, faz com que cinéfilos do mundo inteiro sintonizem na cerimônia de hoje à noite quase com uma curiosidade mórbida: afinal, após tantas decisões erradas, ainda é possível esperar algo de bom da premiação?

O mínimo de defesa que podemos fazer em relação ao Oscar 2019 é essa: a seleção de melhor filme, apesar da baixa média de qualidade, é a fiel representação daquilo que vemos em Hollywood ao longo do ano. Entre os oito títulos indicados na categoria principal, temos filme de super-herói (Pantera Negra), sátira política (Vice), uma obra estrangeira lançada diretamente em streaming (Roma), a biografia musical que os votantes (e o público) tanto adoram (Bohemian Rhapsody), olhares superficiais ou profundos sobre questões sociais e raciais (Green BookInfiltrado na Klan), uma comédia dramática de época (A Favorita) e uma refilmagem impulsionada por um galã confiável da indústria ao lado de uma gigante pop star (Nasce Uma Estrela). Acuse o Oscar 2019 do que você quiser, menos de ele não representar, para o bem e para o mal, nas devidas dimensões, tudo aquilo que faz sucesso entre público e crítica este ano. Mais do que isso, é gratificante ver a Academia finalmente se abrindo para obras mais populares, aceitando e reconhecendo que Hollywood vive e sobrevive por causa delas e que não há mal algum em abrir as portas para os longas que tanto mobilizam milhões (ou bilhões) de pessoas mundo afora.

Falando dos filmes propriamente ditos, o nível realmente não é alto e, pela primeira vez, acho que chego a um Oscar sem ter um filme que vou levar para a vida inteira. Admiro demais Roma, por exemplo, ao mesmo tempo em que sou apaixonado por tudo aquilo que a A Favorita representa em termos de transgressão narrativa, mas também tenho problemas imensos com Green Book: O Guia, um filme que considero simplesmente inadmissível de tão empoeirado. Também acho Vice um CTRL+C/CTRL+V do formato de A Grande Aposta, assim como sigo sem entender tanta paixão por Nasce Uma Estrela, uma obra que é igual a incontáveis outras que já vimos sobre romances conturbados no mundo da música. O que me pega mesmo no Oscar 2019 é a seleção de títulos estrangeiros que, atenção, é amplamente liderada por Roma, que concorre em dez categorias, mas que está longe de ser resumida a isso. Na maratona deste ano, ainda me faltou ver Guerra Fria, mas o japonês Assunto de Família e especialmente o libanês Cafarnaum são claros exemplos de como os longas não falados em inglês são mais sofisticados, interessantes e comoventes do que os concorrem na categoria principal. Esses sim eu vou guardar no meu coração como as melhores lembranças dessa temporada.

Com favoritos em pouquíssimas categorias, o Oscar 2019 acontece na noite deste domingo (24) com a real sensação de que tudo pode acontecer, o que pode não significar boa coisa. Não duvide, por exemplo, que o adorado e premiado Roma de repente saia da cerimônia sem o prêmio principal para que Green Book, o clássico filme formulaico e apaziguador sobre racismo, seja o grande consagrado da noite. É importante lembrar: há pelo menos dois anos o Oscar cansa do grande favorito da temporada para premiar outro título: foi assim com La La Land sendo desbancado por Moonlight e com Três Anúncios Para Um Crime perdendo o prêmio principal para A Forma da Água. Seria muito triste ver Green Book tirando o prêmio de Roma, mas é um cenário possível e bastante real. Entre os atores, viverei uma alegria sem fim quando Glenn Close finalmente subir ao palco para levar o Oscar por A Esposa, mas o meu coração está com Olivia Colman em A Favorita. Sem ter visto Regina King em Se a Rua Beale Falasse, também torço pelo filme de Yorgos Lanthimos entre as coadjuvantes: Amy Adams, de quem eu gosto muito em Vice, precisa me desculpar, já que a minha torcida fica sem pensar duas vezes com Rachel Weisz.

Aqui no Brasil, o Oscar 2019 será transmitido pelo canal TNT a partir das 20h30 com o Tapete Vermelho e a partir das 22h com a cerimônia oficial. No mais, compartilho abaixo as apostas para a noite de hoje e também as duas lives realizadas na página do Cinema e Argumento no Facebook sobre as categorias de atuação e interpretação. Logo mais nos vemos uma outra vez para comentar os vencedores. Até lá!

APOSTAS

MELHOR FILMERoma / alt: Green Book: O Guia
MELHOR DIREÇÃO: Alfonso Cuarón (Roma) / alt: Spike Lee (Infiltrado na Klan)
MELHOR ATRIZ: Glenn Close (A Esposa) / alt: Olivia Colman (A Favorita)
MELHOR ATOR: Rami Malek (Bohemian Rhapsody) / alt: Christian Bale (Vice)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Regina King (Se a Rua Beale Falasse) / alt: Amy Adams (Vice)
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Mahershala Ali (Green Book: O Guia) / alt: Richard E. Grant (Poderia Me Perdoar?)
MELHOR ROTEIRO ORIGINALA Favorita / alt: Green Book: O Guia
MELHOR ROTEIRO ADAPTADOInfiltrado na Klan / alt: Poderia Me Perdoar?
MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Roma / alt: Guerra Fria
MELHOR ANIMAÇÃO:Homem-Aranha no Aranhaverso / alt: Ilha dos Cachorros

MELHOR TRILHA SONORA: Se a Rua Beale Falasse / alt: Pantera Negra
MELHOR CANÇÃO ORIGINAL: “Shallow” (Nasce Uma Estrela) / alt: “All the Stars” (Pantera Negra)
MELHOR MONTAGEMVice / alt: Bohemian Rhapsody
MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: A Favorita / alt: Roma
MELHOR FOTOGRAFIA: Roma / alt: Guerra Fria
MELHOR FIGURINO: A Favorita / alt: Pantera Negra

MELHOR MIXAGEM DE SOMBohemian Rhapsody / alt: Nasce Uma Estrela
MELHOR EDIÇÃO DE SOMUm Lugar Silencioso / alt: Bohemian Rhapsody
MELHOR MAQUIAGEM & PENTEADOSVice / alt: Duas Rainhas
MELHORES EFEITOS VISUAISO Primeiro Homem / alt: Vingadores: Guerra Infinita

LIVES NO FACEBOOK

 

_

Os vencedores do BAFTA 2019

Olivia Colman foi a melhor atriz por A Favorita.

Ainda que seu eleitorado não seja necessariamente semelhante ao do Oscar, o BAFTA exerceu, na noite deste domingo (10), um papel muito interessante em termos de clarear os rumos para o prêmio concedido pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Por também consagrar filmes de língua inglesa e por estar na ativa desde os anos 1940 (o que lhe dá grandes credenciais com a indústria, que sempre voa até o Reino Unido para prestigiar a cerimônia), o BAFTA pode, ao menos, ser observado como o reflexo do pensamento de um grupo específico que, de certa maneira, está alinhado aqui ou ali com outras premiações em casos mais abertos e pontuais. Especialmente na corrida deste ano, que, até então, parecia não ter favoritos (muito em função da baixa média de qualidades dos concorrentes), os britânicos parecem assinalar caminhos muito óbvios.

Tal constatação é possível porque Roma faturou a categoria principal mesmo com A Favorita levando sete troféus para casa, alguns deles estratégicos (roteiro original e filme britânico, por exemplo). A vitória surpreende porque o BAFTA é uma premiação conhecida por seu bairrismo, ainda mais em anos onde filmes britânicos como A Favorita ganham grande repercussão no circuito mundial. Por outro lado, não devemos pensar que o Oscar de melhor atriz para Glenn Close está perdido com a consagração de Olivia Colman, que de fato brilha em A Favorita, mas que foi favorecida pela histórica falta de entusiasmo do BAFTA com Glenn (antes de A Esposa ela só havia concorrido nos 1980 com Ligações Perigosas, sem ter vencido) e pelo fato ser uma grande queridinha entre os votantes (esta é quarta estatueta da atriz, considerando as vitórias por TV). De resto, nas categorias principais, saem consolidados da cerimônia o mexicano Alfonso Cuarón também na categoria de melhor direção e a dupla Rami Malek (Bohemian Rhapsody) e Mahershala Ali (Green Book: O Guia), aparentemente imbatíveis entre as interpretações masculinas.

Confira abaixo a lista completa de vencedores do BAFTA 2019

MELHOR FILME: Roma
MELHOR DIREÇÃO: Alfonso Cuarón (Roma)
MELHOR ATRIZ: Olivia Colman (A Favorita)
MELHOR ATOR: Rami Malek (Bohemian Rhapsody)
MELHOR ATRIZ COADJUVANTE: Rachel Weisz (A Favorita)
MELHOR ATOR COADJUVANTE: Mahershala Ali (Green Book: O Guia)
MELHOR ROTEIRO ORIGINAL: A Favorita
MELHOR ROTEIRO ADAPTADO: Infiltrado na Klan
MELHOR FOTOGRAFIA: Roma
MELHOR FIGURINO: A Favorita
MELHOR MONTAGEM: Vice
MELHOR FILME BRITÂNICO: A Favorita
MELHOR ANIMAÇÃO: Homem-Aranha no Aranhaverso
MELHOR DOCUMENTÁRIO: Free Solo
MELHOR FILME ESTRANGEIRO: Roma
MELHOR MAQUIAGEM E PENTEADOS: A Favorita
MELHOR TRILHA SONORA: Nasce Uma Estrela
MELHOR DESIGN DE PRODUÇÃO: A Favorita
MELHOR SOM: Bohemian Rhapsody
MELHORES EFEITOS VISUAIS: Pantera Negra
MELHOR CURTA-METRAGEM BRITÂNICO: 73 Cows
MELHOR CURTA-METRAGEM BRITÂNICO (ANIMAÇÃO): Roughhouse
EE RISING STAR AWARD: Letitia Wright

%d blogueiros gostam disto: