Rapidamente: “Belfast”, “Mães Paralelas”, “The Novice” e “Summer of Soul”

thenovice

Isabelle Fuhrman tem desempenho excepcional no drama The Novice, que recebeu cinco indicações ao Independent Spirit Awards.

BELFAST (idem, 2021, de Kenneth Branagh): Com uma carreira mais interessante como ator do que como diretor, Kenneth Branagh, após 22 títulos atrás das câmeras, não escapou à tentação de realizar um filme autobiográfico. E, deixando de lado a discussão sobre a repetição de fórmulas habituais, Belfast é, no geral, um relato bastante desarranjado. Causa estranhamento como, mesmo adotando, em tese, o ponto de vista do jovem protagonista Buddy (Jude Hill), as memórias do diretor não parecem ter um fio condutor. Ora Belfast se empenha em tentar construir nossa conexão com as angústias da infância do protagonista, ora parece dar mais importância do que deveria a personagens orbitantes. O fator histórico da Irlanda dos anos 1960 pouco contribui para essa perspectiva pulverizada, já que acontecimentos reais são encenados e discutidos quase como um pot-pourri, embaralhados por uma montagem sem fluidez assinada por Úna Ní Dhonghaíle. Com este cenário, as generalidades de Belfast se evidenciam: não só Branagh é pouco inventivo como diretor, adotando, por exemplo, uma previsível fotografia em preto e branco que se revela mais um capricho estético do que uma ferramenta narrativa, como parece fazer um longa para si mesmo ao juntar lembranças pessoais sem que elas se entrelacem com alguma unidade ou universalidade. Belfast representa um tipo de filme que dificilmente sairá de moda — as sete indicações em categorias importantes do Oscar deste ano são uma prova disso —, mas, como sempre, novas ideias não fariam mal a ninguém.

MÃES PARALELAS (Madres Paralelas, 2021, de Pedro Almodóvar): De imediato, pensei que Dor e Glória ainda exercia uma impressão muito forte em mim, elevando minhas expectativas, mas, conforme os dias após a sessão de Mães Paralelas foram passando, a minha reação ao novo filme de Pedro Almodóvar continuava a diminuir. Não consigo encontrar nele o grande filme visto muito por muitas pessoas, muito em função de uma trama que, disposta a abarcar várias discussões, termina desfocada e com impacto reduzido. Falta consistência na linha narrativa de um filme em que até o conflito principal entre as duas mães já foi tema de novela da Globo assinada por Manoel Carlos, o que não seria um problema se o longa não levasse a trama tão a sério e se Almodóvar estivesse naquela deliciosa fervura melodramática tão representativa de seu cinema. Ao invés disso, parece haver em Mães Paralelas uma certa autocópia do diretor que já rendeu outros títulos irregulares, como Abraços Partidos e Julieta, além da introdução de elementos sem grande aderência ao filme como um todo, a exemplo das discussões políticas em cima de traumas da Guerra Civil Espanhola. Vencedora do prêmio de melhor atriz no último Festival de Veneza, Penélope Cruz acaba sendo a grande liga de Mães Paralelas. Ela há muito tempo já se tornou a musa definitiva do diretor (já são sete filme juntos desde Carne Trêmula, em 1997) e, apesar da carreira prolífera, continua a ter seus melhores momentos quando dirigida por ele e é a razão dos melhores momentos de Mães Paralelas.

THE NOVICE (idem, 2021, de Lauren Hadaway): À parte o tema da busca pela perfeição, The Novice é muito diferente de Whiplash, filme com o qual tem sido comparado. Enquanto no filme Damien Chazelle tínhamos um protagonista que chegava ao limite influenciado por um professor hiper exigente, em The Novice acompanhamos uma personagem policiada exaustivamente apenas por ela mesma. E é aí que está a grande sacada deste potente filme de Lauren Hadaway: a angústia presente na atmosfera do filme é resultado do constante estado de autocobrança de uma garota obcecada em ser a melhor da sua equipe de remo. Partindo desse enfoque, Hadaway faz observações muito pertinentes e vai contra o tão perpetuado discurso de que, para alcançar o sucesso, você deve trabalhar enquanto os outros dormem. A perfeição buscada por Alex (Isabelle Fuhrman), sem que nem ela própria saiba exatamente a razão, é vista aqui como um problema, sem glamourizações, quase como um retrato perfeito desses tempos em que querem tanto vender a cultura da chamada alta performance — cultura essa que, no frigir dos ovos, acaba fazendo com que toda uma geração sucumba à síndrome de burnout. Sensorial, The Novice tem uma trilha extraordinária assinada por Alex Weston, responsável por, assim como outros aspectos técnicos, envolver o espectador na mente inquieta e angustiada da protagonista. No entanto, é no desempenho de Isabelle Fuhrman que tudo literalmente toma corpo: seu trabalho físico é impressionante, e isso tem pouco a ver com a dedicação ao remo: através da linguagem corporal, Fuhrman traduz, no suor, nos músculos e no sangue, tudo aquilo que sua personagem não consegue verbalizar, refletir ou admitir para os outros e para ela própria. É interpretação das grandes.

SUMMER OF SOUL (…OU, QUANDO A REVOLUÇÃO NÃO PODIA SER TELEVISIONADA) [Summer of Soul (…Or, When the Revolution Could Not Be Televised), 2021, de Questlove]: Fazia tempo que não me deparava com um documentário tão cativante e potente quanto este Summer of Soul, uma verdadeira reparação das mais importantes. Nele, um pedacinho de História (com H maiúsculo mesmo) é recuperado e, por fim, devidamente reparado. Trata-se do verão em que aconteceu o Harlem Cultural Festival, em Nova York, no ano de 1969. O evento foi ofuscado por ter acontecido na mesma época de Woodstock, mas há outra razão por trás desse descaso histórico: o festival era dedicado à celebração da música e da cultura afro-americanas. Mais de 50 anos depois, Summer of Soul recupera imagens raras desse grande evento, convidando, inclusive, pessoas que nele estiveram e que apenas agora, após tanto tempo, relembram, através de imagens antes nunca usadas publicamente, a emoção de um festival tão importantes para ela — e que o mundo racista em que vivemos fez questão de atirar ao esquecimento. A emoção dessa (re)descoberta é palpável nos entrevistados, e não por menos: de Nina Simone a Stevie Wonder, passando por B.B. King e Mahalia Jackson, as performances musicais do Harlem Cultural Festival eram carregas de potência, seja pela plateia presente ou por tudo que aquele momento significava — e significa mais de meio século depois. É inspirador ver o cinema fazendo justiça através de um filme que mistura música, ritmo e sensibilidade com grande maestria.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: