“Batman”: grande renovação ou uma retomada dos elementos que marcaram os melhores momentos do Homem-Morcego?

Let’s play a game. Just me and you.

thebatmanposter

Direção: Matt Reeves

Roteiro: Matt Reeves e Peter Craig, baseados no personagem criado por Bill Finger e Bob Kane

Elenco: Robert Pattinson, Jeffrey Wright, Paul Dano, Zoë Kravitz, Colin Farrell, John Turturro, Andy Serkis, Peter Sarsgaard, Barry Keoghan, Max Carver, Charlie Carver, Rupert Penry-Jones, Alex Ferns, Jayme Lawson

The Batman, EUA, 2022, Ação, 175 minutos

Sinopse: Com apenas alguns aliados de confiança entre a rede corrupta de funcionários e figuras importantes da cidade, Batman (Robert Pattinson) se estabeleceu como a única personificação da vingança em Gotham City. Mas, em uma de suas investigações, acaba envolvendo o Comissário Gordon e ele mesmo em um jogo de gato e rato ao investigar uma série de maquinações sádicas e trilhas de pistas enigmáticas arquitetadas por Charada (Paul Dano). A investigação o leva a descobrir uma onda de corrupção que envolve até mesmo o nome de sua família, pondo em risco sua própria integridade e as memórias que tinha sobre seu pai, Thomas Wayne.

thebatmanmovie

Há determinados super-heróis que sobrevivem aos anos e que, levando em consideração o atual cenário, parecem fadados a receber incontáveis releituras de tempos em tempos. É o caso de Batman, que já foi gótico, estapafúrdio, realista e um mero caça-níquel. De Adam West a Ben Affleck, incluindo até mesmo uma versão em LEGO dublada por Will Arnett, o Homem-Morcego já foi interpretado no cinema por quase uma dezena de atores e dirigido por cineastas dos mais variados estilos, o que sempre me leva à seguinte pergunta toda vez que leio a notícia de que teremos um novo projeto do herói: ainda há algo de realmente novo a ser dito sobre o mascarado de Gotham City?

A resposta, na verdade, nunca será definitiva, pois ela varia em relevância de espectador para espectador. Os fãs com certeza dirão que, sim, sempre dá para explorar novos prismas de um personagem tão versátil e repleto de materiais de origem quanto Batman. Já quem não tem muito afinidade com o mundo dos quadrinhos ou dos super-heróis leva outros elementos em consideração: aqueles mais cinematográficos, oxigenados e experimentais. Como fico no segundo caso, fui para a sessão de Batman sem muitos estímulos, não só porque a péssima fase estrelada por Ben Affleck ainda é muito fresca na memória, mas também porque, ao fim da projeção, o filme de Matt Reeves me pareceu menos revolucionário do que apontam as comovidas e já esperadas reações ao resultado.

Por mais que Reeves, um sólido realizador de blockbusters, como os dois últimos Planeta dos Macacos, apresente aqui a sua visão muito própria do super-herói, não deixa de existir aquele déjà-vu de estarmos vendo de novo a introdução de um novo Batman, de uma nova Mulher-Gato, de um novo Charada, de um novo Pinguim, etc. Os eternos recomeços de franquias terminam por banalizar bastante a experiência com certos universos, e foi exatamente assim que me senti durante boa parte desta versão estrelada por Robert Pattinson. O público que consegue apertar o reset junto, realmente o faz sem concessões, pois é até estranho constatar como são amplamente elogiadas e até tidas como inovadoras algumas características de Batman que já davam as caras, de um jeito ou de outro, em versões anteriores.

Não é desmerecer as escolhas feitas por Reeves, que, como um todo, aproveitam as melhores facetas dos protagonistas, e sim refrescar a memória: tratar, por exemplo, o tom realista, a Gotham sombria e a atenção aos personagens em substituição à ação desenfreada como epifanias é basicamente esquecer o que Christopher Nolan fez, principalmente, em Batman Begins e em Batman: O Cavaleiro das Trevas. Sendo mais específico ainda: como é possível festejar a tensão física/sensual entre Batman (Robert Pattinson) e Selina Kyle (Zoë Kravitz) sem lembrar de tudo o que Michelle Pfeiffer fez como Mulher-Gato, ainda que em um projeto com tons diferentes dos abordados aqui? Reeves fez certo em abraçar tudo isso, mas, ao contrário do que sugere a polvorosa mundial, ele não inventou a roda.

A fonte de inspiração de Batman é, claro, filmes de David Fincher como Se7en e Zodíaco no que tange o tom investigativo e, por que não, a imensa duração de quase três horas. Um pouco de sutileza na reverência não faria mal ao resultado, ainda que tais referências tragam surpresas bastante agradáveis a esse reboot. Reeves é feliz, entre outras coisas, ao não explorar pela milésima vez o assassinato dos pais de Bruce Wayne e na total supressão de elementos cartunescos, permitindo que personagens como Pinguim (Colin Farell) tenham seus pés bem firmados no mundo real. Quando vê Gotham City pela ótica da investigação, dos personagens e dos demônios internos do protagonista, Batman inevitavelmente se torna mais envolvente do ponto de vista emocional.

Se o filme segue a nova moda de tornar todo blockbuster o mais escuro possível para imediatamente trazer seriedade ao visual, como se filmes de cores vibrantes ou saturadas como Mad Max: Estrada da Fúria não o fossem, por outro lado, o background dado a alguns personagens atenua essa prática visual. A melancolia do Bruce Wayne de Robert Pattinson, que, passa pelo menos dois terços do filme com o rosto mascarado, casa perfeitamente com as sombras de Gotham. O mesmo se aplica para Zoë Kravitz, cuja personagem tem boas motivações em jogo e é um excelente complemento a essa visão desesperançosa do protagonista para uma cidade nada convidativa.

Ainda na zona dos atores, Batman sabe a importância de trazer bons nomes para o projeto e dar o devido destaque a cada um deles. Nem todos personagens são essenciais à trama, o que não diminui o prazer de ver um filme de tamanha dimensão compreendendo que nomes como Paul Dano, Jeffrey Wright, Peter Sarsgaard, entre outros, não devem estar em cena apenas como curiosidade ou participações especiais. Batman é um trabalho de elenco, mesmo que Reeves, aqui e ali, não resista em dar a possibilidade para que um ou outro ator tenha sua cena isolada de brilho em detrimento do roteiro, especialmente no caso de Paul Dano, que, se não fosse o ator maravilhoso que é, teria transformado sua primeira cena frente a frente com Robert Pattinson em uma egotrip impulsionada pela vontade do longa em ecoar a vibe Coringa de Heath Ledger e Joaquin Phoenix.

Após as bobeiras dos filmes estrelados por Ben Affleck, a DC estava precisando de um filme como Batman, que pende mais para o realismo das obras de Christopher Nolan do que para o entretenimento sem muito compromisso com a qualidade. Se Reeves partiu de um briefing como esse, a modelagem está bem evidente na tela. Da fabulosa trilha de Michael Giacchino que remete ao trabalho de Hans Zimmer e James Newton Howard na trilogia de Nolan a um conceito de ação menos fantasioso, Batman reverenciando elementos marcantes de alguns dos melhores tempos do Homem-Morcego. Paralelamente, contudo, fica a sensação de uma renovação que não divide tantas águas assim. Para um primeiro filme, o resultado é mais do que satisfatório. Agora, colocá-lo à altura de clássicos noir e de diretores consagrados como William Friedkin… Aí já é outra história. Precisamos ver o que Reeves fará daqui em diante para realmente entender o que pode ser considerado como real renovação ou não.

27 comentários em ““Batman”: grande renovação ou uma retomada dos elementos que marcaram os melhores momentos do Homem-Morcego?

  1. O método que Nolan usou o realismo foi, em contrapartida, o ponto fraco, por ser muito mais realista do que o necessário e esquecer de boas cenas de luta.

  2. A roupa do Batman Robert Pattinson é horrível!
    Um monte de peças que forma uma armadura feia, em vez de algo flexível que pode ser movido facilmente.
    Ele não é assustador. Basta olhar para a sua “máscara”. Em seguida – os olhos.
    Por que, oh POR QUE os filmes do Batman não podem tornar os olhos brancos como se fossem quadrinhos?
    Droga, esse cara tem maquiagem no rosto ao redor dos olhos. MAQUIAGEM! Me dá vontade de chorar.
    É um monte de peças desconexas encaixadas ao acaso. Não é um uniforme elegante.
    Quebra a ilusão de que este é um morcego gigantesco – quase sobrenatural.

  3. Batman do Robert Pattinson muito sombrio e violento.
    Tudo que os haters do Zack Snyder criticaram e reclamaram sobre o Batman do Ben Affleck.

  4. Robert Pattinson é muito magro para ser o Batman.
    Eu sei que as pessoas vão falar que Michael Keaton, que não era um cara musculoso e interpretou o Batman.
    Hoje em dia, espera-se que atores que interpretam super-heróis se pareçam com o personagem.
    Pensem em Chris Hemsworth como Thor, você acha que ele teria conseguido se fosse magro como o Robert Pattinson?
    Simplesmente não tem fisicalidade para desempenhar o papel de forma convincente.

  5. O Batmóvel é carro comun? Ele é um bilionário com alta tecnologia.
    Batman não deveria estar em uma sala cheia de 20 policiais ou andando entre policiais assim.
    Parte de seu personagem é que os policiais até o veem como uma lenda urbana.
    Uma armadura militar feia que não lembra nenhum uniforme do Batman nos quadrinhos.

  6. Olhando para Pattinson como Batman, ele não é intimidador de forma alguma.
    Os bandidos iriam rir em sua cara magra antes de espancá-lo. Tragam de volta Ben Affleck Batman.

  7. Nada contra o Pattinson.
    Eu pessoalmente acho que ele é um ator superestimado sem nenhum carisma.
    E não deveria nem mesmo ter permissão para ser uma estrela de cinema de TV.

  8. A primeira coisa que pensei quando assisti ao trailer e vi Batman literalmente caminhando por uma saraivada de balas.
    “Tony Stark ligou e disse que quer sua armadura de volta”.
    Mas você diz que esse filme volta com o realismo kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

  9. Vamos olhar para um aspecto importante do Batman, sua aparência e atitude.
    Eu realmente não gosto da aparência do Robert Pattinson, especialmente como Brue wayne, é muito emo e magro.
    Para mim, Ben Affleck se parece mais com Batman e Bruce Wayne, ele dá vida ao personagem de quadrinhos e animação.

  10. Podemos ter um filme do Batman que não se parece com o Batman do Nolan?

  11. Gostando do Zack Snyder e Ben Affleck/Batman ou não, eles podiam pelo menos manter a qualidade das cenas de ação.
    Ben Affleck Batman teve o cuidado de tentar desarmar os inimigos antes de lutar contra eles.
    E ele usou táticas para deixá-los completamente desorientados.
    Para que eles não pudessem se organizar para atacá-lo todos juntos.
    E quando eles conseguiram se organizar, eles o atacaram todos juntos de todos os lados.
    Agora, os inimigos estão de volta à rotina de “ataque um de cada vez”.
    Robert Pattinson Batman apenas caminha em direção às balas?
    Esperando que eles não apontem para seu frágil capuz de couro.
    Ele poderia pelo menos tentar desarmá-los com um batarang.
    Ah, e as balas nem mesmo o empurram ao acertá-lo – o que o torna menos realista do que Keaton.
    Batman Bale 2.0.

  12. Prefiro o Batman Ben Affleck do que um cara magro em uma armadura desajeitada.

  13. Batman é apenas mais um Batman do Nolan refeito com melhor ação.
    Que piada.

  14. Matt Reeves não está fazendo nada original neste novo filme do Batman.
    É baseado na história Batman: Terra Um e uma cópia da trilogia Batman do Nolan e a série Gotham.

  15. Imagine se o Batman do Zack Snyder espiasse uma mulher enquanto ela trocava de roupa?
    Os haters o teriam cancelado, mas com Matt Reeves todos ficam em silêncio.

  16. Bruce Wayne usa a persona de playboy para evitar ser suspeito de ser o Batman. Matt Reeves não entende o personagem.

  17. Batman é um filme pseudo-noir pretensioso com uma narração irritante do Batman Robert Pattinson.

  18. Batman abre sem ironia com “Ave Maria” como música de fundo.
    O fato de ninguém criticar isso prova que as referências religiosas só são um problema quando é Zack Snyder.

  19. The Batman/Batman Pattinson emo esquelético lutando contra um nerd twitch streamer com quase nenhuma profundidade.

  20. O diretor Matt Reeves não entende o Noir. Embora sombrio e decadente, o noir requer carisma, espirituoso e mordaz.
    O filme The Batman/Batman é monótono, carece de inteligência ou charme.

  21. Batman, um homem que possui intelecto de nível genial (um produto de bons genes).
    Também capacidade atlética de nível olímpico em praticamente tudo.
    O homem ganhou na loteria genética para começar e, além disso, nasceu em uma família incrivelmente rica.
    Isso é realista?

  22. Porque é “realista” Bruce Wayne um playboy de boa aparência, multimilionário, chefe de uma empresa internacional.
    Em vez de viver a vida por meio de sua riqueza e fama como qualquer outra pessoa.
    Ele decidiu se vestir como um morcego e lutar contra psicopatas à noite.

  23. Algumas das histórias do Batman podem ser mais fundamentadas do que heróis mais abertamente irrealistas.
    Mas ele no final do dia ainda é uma fantasia de poder totalmente impossível.

  24. “Realismo das obras de Christopher Nolan do que para o entretenimento sem muito compromisso com a qualidade”.
    Batman significa fantasia, dispositivos impossíveis, aventuras incríveis.
    Inimigos irreais e tudo dentro de uma cidade fictícia.
    Pare com a abordagem realista do caralho! Já tínhamos uma TRILOGIA com essa ideia.
    Tragam algo mais preciso em quadrinhos.
    Os fãs da verdadeira mitologia do personagem merecem isso.

  25. “Após as bobeiras dos filmes estrelados por Ben Affleck, a DC estava precisando de um filme como Batman, que pende mais para o realismo das obras de Christopher Nolan do que para o entretenimento sem muito compromisso com a qualidade”, Batman vs Superman é incrível e continua melhorando com o passar do tempo.
    É por isso que você ainda vê notícias para este filme anos depois que foi lançado.
    A audiência causal que sofreu lavagem cerebral com comédias de ação retardadas da Mar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: